Terça-feira, 30 de Agosto de 2016

O Esquecimento Natural Das Coisas.

      O miador atormentado procura roçar-se nas pernas, procura um afagar apaziguador nas orelhas e de preferência encontrar na sua malga a caçada mágica do dia. Ficamos indefinidamente em suspenso neste sopro a que chamam viver. A metáfora ultrapassa-nos, tornando impercetíveis os limites do seu amplexo.
       Pedro aproxima-se do fim. Uma luta visceral contra os demónios de si. E finalmente, terá descoberto o santo graal dos parêntesis. Algures, as sílabas alinharam-se na solidariedade gravítica da prosa.
       Suponho que afinal exista um lugar de descanso onde se possa pousar a caneta e que o livro se possa escrever a si próprio. Sem tormentos, dúvidas ou desistências. Talvez possamos criar um ser vivente nesse livro que possua o seu calor. Os seus próprios desejos e carências. Sofra também com quem o leia. Evolua e se transforme ao ponto de melhorar com o tempo.
       Joana senta-se à beira de água. Já não dança, já não chora. Olha o horizonte longínquo e suspira. Sente que o rapaz que se perdeu dela está a caminho. E a voltará encontrar um dia. Basta saber esperar.

O Esquecimento Natural Das Coisas.

 

           «««««   Fim.   »»»»»

publicado por 100destino às 12:58
link do post | comentar | favorito
|

.Novos Destinos

. Vivo Para Te Encontrar.

. Timbres Cor De Fogo.

. Procuro Pelos Espaços Do ...

. Entre Nós Nunca Houve Tem...

. A Tentação Sombria Da Mel...

. Algures Dentro De Nós Exi...

. Onde Colar Os Selos Diama...

. Os Nexos Complexos Finalm...

. A Dor É Apenas Um Estado ...

. o Veneno Tóxico Da Loucur...

.Destinos comentados

Como posso entrar em contato com você?Me mande um ...
lindo
Tantas e tantas vezes que temos este pensamento...
Ninguém saberá responder a isso...
Gostei muito deste excerto, especialmente "Segredo...

.Destinos antigos

.subscrever feeds