Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

100Destino

Onde um destino sem destino procura um destino entre cem.

100Destino

Onde um destino sem destino procura um destino entre cem.

23.03.08

Sustenido em dó


Paulo José Martins

                As vezes olho o mar sustenido em dó e perdido na penumbra de cada onda que me encobre, domina e transporta para mundos imaginários com um abraço quente e efémero. São os mistérios do mar presentes na fantasia que deixam em mim os segredos entrecortados pelo suspiro de uma ânsia de naufrágio.

               O suave desejo de uma vez perdido neste mundo poder limitar-me a navegar a sua existência de revolta e calmaria, inexorável e inexplorável, sedutora na sua fase mais longa como um amplexo de longos braços apertados e aguilhoados severamente por uma raiva ciumenta por ter omitido involuntariamente a minha presença .

              Segredos de orelha em orelha ressoam na vertente fragosa da praia consolando-me o destino sem destino que me procura e aprisiona sem rendição possível ou providencial. Será  o fim de uma sensação o momento que a experimentamos? Ou conseguindo revive-la em imagens sucessivas dando-lhe uma vida constante de renascimento e clímax, como se um beijo tornasse-se mil envolto nas nuvens da memória.

Que bom seria reviver o teu beijo como a um néctar rejuvenescedor, esperançoso de uma felicidade julgada eterna. Conseguida apesar de numa fracção de segundo a onda que rebenta na praia , a beija em tangente, num clímax fragoso se culmina um no outro, finalizando-se o destino, cavalgado na sua crista por léguas e léguas na esperança desolada e improvável de ser feliz.

1 comentário

Comentar post