Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

100Destino

Onde um destino sem destino procura um destino entre cem.

100Destino

Onde um destino sem destino procura um destino entre cem.

24.10.10

O Que Faria Você? 3/3


100destino

 

    Sei que morri.

    Despi a alma das roupagens gastas e sobrevivo agora nesta réstia de corpo que me persegue. Procura. Tem saudades de mim, do que fomos, vivências de outros tempos.

    Uma dor nunca desaparece. Apenas muda de sitio, transforma-se, perde-se no tempo, esquece-se. Surgem outras em substituição, dividimos atenções como se fossem amizades de longa data. Dores antigas, sofrimentos que por serem tão íntimos começaram a fazer parte de nós, defeitos, feitios, enfeites; comandam o processo da nossa vida e sem eles deixamos de ser quem somos, perdemos a identidade, o conceito de nós próprios desaparece, diluído pela falta da dor que nos define o carácter.

    Sinto que morri. Não há dor. Estou feliz.

    Sobeja-me o martírio de viver. De viver por completo, de viver tudo, de viver por todos. Deixou de haver dor quando decidi deixar de viver. Agora só me resta ser feliz.

    “ O que faria você se pudesse ser feliz?”

    Nada mais haveria a fazer. Nada. Tudo se consumiria nas chamas da iniquidade. Vazio.

    “ O que faria você se a felicidade não o fizesse feliz?”

17.10.10

O Que Faria Você? 2/3


100destino

      Pedi a morte. Pedi a morte tantas vezes, de formas, tipos. Com tanta convicção que finalmente morri. Não me lembro que morri nem como. Apenas sei que estou morto.

     Morri para poder viver e agora vivo sem poder voltar a morrer. Não vivo nem morro. Existo.

     " O que faria você se a dor persistisse depois da morte?".

     Afinal a dor existe, bem viva entre as mais profundas fibras deste ser que afinal já não devia de existir. Pensei que tudo acabaria no fim.

     Calculei mal, decidi erradamente e agora não posso voltar atrás, voltar a morrer, e desta vez ( quem sabe? ) em paz.

     " O que faria você se pudesse voltar atrás?"

     Gostaria de poder voltar atrás, viver de novo, não cometer os mesmos erros, cometer outros, saboreá-los, absorvê-los, aprender a perdoar, aprender a amar, ganhar consideração, respeito, viver absolutamente, aceitar.

     " O que faria você se tudo fosse perfeito?"

     Continuo a achar que endoideci. Talvez.

     Acho que procuro uma saída, uma justificação, uma outra forma de entender a vida, perceber a alma, descobrir a razão do existir, o porquê das sensações do espírito, encontrar a finitude do ser e chegar ao ponto de poder levantar o véu da madrugada do entendimento para finalmente poder ver a luz.

     " O que faria você se pudesse ver a luz?"

10.10.10

O Que Faria Você? 1/3


100destino

 

      Há quem diga que estou doido. Mas não estou. Apenas morri fora de tempo.

      A alma dilui-se nas amarguras do corpo. Sobram apenas os espaços entre o sofrimento e a indiferença que o corpo sonâmbulo atravessa por instinto.

      “ O que faria você se morresse antes de tempo? “

      Sinto-a... sob a pele. A comichão da morte alastrando dentro de mim. Olhando-me de dentro para fora. Inquisidora.

      Uma dor aqui, uma dor ali, a morte prepara minuciosamente o momento da estocada final. Calculista.

      Dizem que estou doido.

      “ O que faria você se a morte vivesse dentro de si?”

     Às vezes sinto a alma descolar desta existência viciosa. Tenta afastar-se, esquecer, por um segundo, por um momento que seja, procura algo diferente.

     Felicidade? Não. Seria pedir muito.

     Um pouco de alegria? Um sorriso? Um breve esgar de contentamento? Nada disso.

     A alma sobrevive na esperança de que nesse momento possa deixar de sentir, deixar de sofrer. Possa finalmente, descansar.

     “ O que faria você se a vida fosse uma dor constante?”

      Morri antes do tempo. Morri com medo de continuar a viver assim. Desesperado.

     Decidi existir deixando de existir. Morri apenas para que a morte me deixa-se em paz. Perdesse o interesse. Esquecesse-me. Saí-se de mim e levasse esta dor consigo.

     Imagino as duas, caminhando de braço dado. Rindo, afastando-se no horizonte, cada vez mais longe, distraídas, longínquas, abandonando-me ao privilegio da melancolia.

    “ O que faria você se pudesse viver sem o medo da morte?”

03.10.10

Íntimo Sono.


100destino

      O vento madruga na fenda semicerrada da janela. Cheira levemente a magenta da manhã. E tu, jovem, cerrada entre lençóis murmuras:

      “ O gesto teu em beijo descanso.”

      E eu, deste lado, insone, descobrindo um novo sentido nas tuas palavras mergulhadas no sono:

      “ Abraço muito o teu gesto para sempre.”