Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

100Destino

Onde um destino sem destino procura um destino entre cem.

100Destino

Onde um destino sem destino procura um destino entre cem.

31.01.10

Carrossel


100destino

 

Olho as voltas serpentinas do carrossel. Volto sempre, volto sempre sozinho, ninguém testemunha esta alma vazia de rosto pobre. Seguro no peito o folêgo, com medo que seja o último, o penúltimo e desço a escada dos dias que me levará ao berço inevitável da morte.

Sigo gestos, olhares, risos infantis sobre o último sol da tarde. Jogo aqui esta derradeira cartada com o destino quando revejo os momentos iberbes da vida, como Graal que me rejuvenesce o desejo de continuar, prolongar o sofrimento apenas para poder voltar a sentir o momento paliativo da alegria.

E continua inexoravelmente o carrosssel as voltas. Voltas e voltas como galaxia em formaçao empreganando a minha vida de pequenas estrelas, crianças alegres colidindo em brincadeiras de mil imaginaçoes. Outros mundos, mundos de outrora que em mim se extinguiram. Sobrevivendo apenas a memória distante, vaga e insolúvel de uma idade já longa.

Foram tempos de juventude, vivências em construção como agricultor de azelhices sem consequência, infancias agrestes para quais o futuro não existia, não se definia para lá do por-do-sol onde por todo o lado a fantasia semeava asneiras e colhia raspanetes. Sem olhar para trás, sem dúvidas, sem remorsos, apenas povoado pelo desejo insustentável de procurar a soberba sensação de rodar e rodar.

- Carrossel, acelera, acelera, velocidade e perigo,

Vicio que se consome, existe aqui e agora até o carrossel parar.

Até um dia o carrossel parar.

1 comentário

Comentar post